Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu Varufakis porque me apetece!

Sou louco, tenho 47 anos e há na loucura um prazer que só os loucos conhecem.

Sou louco, tenho 47 anos e há na loucura um prazer que só os loucos conhecem.

Francisca era uma mulher vistosa, dona de um corpo escultural e muita atitude.

Joaquim, um homem simples, vindo do interior com espirito de família e tranquilidade que provavelmente herdara dos seus progenitores.

Não sei como se conheceram, o que os terá aproximado, sei apenas que ela trazia consigo um filho já dava os seus primeiros passos mas que ainda necessitava de colo.

Para além do pequeno menino, trazia também a companhia de sua mãe, uma senhora viúva servida de um enorme autoritarismo e presença. Nota-se que era uma mulher vivida, onde o efeito de uma viuvez só seria notado caso alguém estivesse muito atento. Não digo isto porque a tenha considerado uma mulher atraente, antes pelo contrário porque sempre a conheci velha, e como velha ficou!

Numa casa que na altura seria considerada por muitos um enorme avanço, vínhamos de uma período após a revolução dos cravos, Joaquim albergou sua sogra, Francisca e o pequeno menino.

Um quarto de casal, uma sala onde o menino que seria partilhada como quarto, tão típico da nossa época onde um móvel de sala escondia o divã e por fim para além da cozinha e wc um outro quarto que serviria de quartel-general de sua sogra.

Com o passar dos anos, a relação floriu, mais um rebento, desta feita para celebrar a chave de ouro o amor que os unia. Um filho comum para calar as maledicências das vizinhas, que criticavam a céu aberto a postura futurista e feminista de Francisca.

As minissaias, os decotes provocatórios para a época no caminho para a fábrica de confeções onde trabalhava das 9 às 18, caminho esse que era percorrido por entre quintas, isoladas quer fosse na escuridão de Inverno ou nas manhãs e finais de tarde ainda abrasadores das tardes de verão.

O ter a coragem de fumar, com a anuência de seu marido, dava a Francisca uma enorme confiança, pois ela sabia que Joaquim encarava a sua relação numa perspetival e modelo mais moderno, pois perante as criticas que sofrera ante a sua família e amigos por ter recebido uma mulher com um filho e acompanhada por sua mãe, todas as outras críticas eram para ele, nada mais do que isso.